3 de jul de 2011

Contos de Amor Rasgados - Marina Colasanti

A quem possa interessar

"Abriu a janela no exato em que a garrafa com a mensagem passava, levada pelo vento. (...) Então, com toda delicadeza, devolveu-a ao vento."

Cantata dividida

"Desde os tempos de namoro, amavam-se numa língua que só os dois conheciam. (...)Foi também em sua língua que se desentenderam e, depois de muitas brigas resolveram separar suas vidas. (...)"



A paixão da sua vida

"Amava a morte. Mas não era correspondido. (...)"



Conto em letras garrafais

"Todos os dias esvaziava uma garrafa, colocava dentro sua mensagem, e a entregava ao mar. (...)"



Uma vida ao lado

"Fina, a parede. E além dela, a vida do vizinho.
Irritante a principio. Ruídos, pancadas, tosse, tudo interferindo, infiltrando-se. Depois, aos poucos, familiar.(...)"



Para que ninguém a quisesse


"Porque os homens olhavam demais para sua mulher, mandou que descesse a bainha dos vestidos e parasse de se pintar.(...)"



Sem novidades do Front


"Esperava que o marido voltasse da guerra. Durante os primeiros anos, quando certamente não chegaria, preparou compotas. Depois, a partir do momento em que o regresso se tornava uma possibilidade iminente, assou pães, e a cada semana uma torta de peras, (...)"


Trechos retirados do Livro "Contos de amor rasgados" de Marina Colasanti, 
contos estudados para o processo de trabalho, que inspiram e instigam. TL