22 de set de 2010

REPLICA_proposta_de_trilha

Mano a mano
Tango 1923
Música: Carlos Gardel / José Razzano
Letra: Celedonio Flores

Rechiflado en mi tristeza, te evoco y veo que has sido
en mi pobre vida paria sólo una buena mujer.
Tu presencia de bacana puso calor en mi nido,
fuiste buena, consecuente, y yo sé que me has querido
como no quisiste a nadie, como no podrás querer.

Se dio el juego de remanye cuando vos,
pobre percanta, gambeteabas la pobreza en la casa de pensión.
Hoy sos toda una bacana, la vida te ríe y canta,
Ios morlacos del otario los jugás a la marchanta
como juega el gato maula con el mísero ratón.

Hoy tenés el mate lleno de infelices ilusiones,
te engrupieron los otarios, las amigas y el gavión;
la milonga, entre magnates, con sus locas tentaciones,
donde triunfan y claudican milongueras pretensiones,
se te ha entrado muy adentro en tu pobre corazón.

Nada debo agradecerte, mano a mano hemos quedado;
no me importa lo que has hecho, lo que hacés ni lo que harás...
Los favores recibidos creo habértelos pagado
y, si alguna deuda chica sin querer se me ha olvidado,
en la cuenta del otario que tenés se la cargás.

Mientras tanto, que tus triunfos, pobres triunfos pasajeros,
sean una larga fila de riquezas y placer;
que el bacán que te acamala tenga pesos duraderos,
que te abrás de las paradas con cafishos milongueros
y que digan los muchachos: Es una buena mujer.
Y mañana, cuando seas descolado mueble viejo
y no tengas esperanzas en tu pobre corazón,
si precisás una ayuda, si te hace falta un consejo,
acordate de este amigo que ha de jugarse el pellejo
pa'ayudarte en lo que pueda cuando llegue la ocasión.


De mãos dadas
livre  tradução por Paulo Wovst
Blumenau/SC

Totalmente na fossa, percebo que você tem sido
na minha desprezível vida apenas uma boa mulher.
Sua presença sofisticada aqueceu meu ninho,
Foi boa, fiel
, e sei que você me amou
como nunca amaste ninguém e jamais amará.

Deu-se a mudança quando você,
Jovem humilde driblava a pobreza na pensão.
Agora você é toda bacana, a vida sorri e canta pra ti,
E o dinheiro do tonto que te sustenta, distribui entre rapazes

como o faz o gato malandro com o rato miserável.

Hoje tens a cabeça cheia de infelizes ilusões,
te enganaram os otários, as amigas e o galanteador;
Baila
entre magnatas, com suas loucas tentações,
onde se apodera de ti aspirações de luxo e riqueza
que penetraram profundamente em teu pobre coração.

Nada devo agradecer-te, de mãos dadas caímos;
Eu não ligo para o que você fez, o que você faz ou o que você fará...
Os favores recebidos creio haver-los pago
e, se minha pequena, sem querer alguma dívida eu tenha esquecido,
põe na conta do teu otário
.


Enquanto isso seus triunfos, pobres triunfos passageiros
são uma longa linha de riqueza e de prazer;

que o endinheirado que sede aos teus caprichos pode bancar,
acabarás
nas esquinas em busca de clientes com cafetões aproveitadores

e dirão os rapazes: É uma boa mulher.
E amanhã, quando você for móvil velho e rejeitado
e não tenha nenhuma esperança no seu pobre coração
Se você precisar de alguma ajuda, se precisar de aconselhamento,
lembre-se deste
amigo que arriscará a sua pele

para ajudar-te no que for possível
quando chegar a hora.
 
.
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário